fbpx

Fim das empresas não digitais?

Automação de processos e digitalização, eram características de empresas inovadoras. A tecnologia continua avançando, e em ritmo alucinante, e por consequência o que se apresentava como um diferencial, passou a ser condição de sobrevivência.

Os novos bancos têm sistemas, antes de ter dinheiro. A McKinsey oferece seus serviços de consultoria através do uso de sistemas. A FedEx possui um desenvolvedor skunkworks. A era de separar as indústrias tradicionais e as indústrias de tecnologia acabou, e aqueles que não conseguirem se tornar agora uma empresa inovadora, logo se verão obsoletos. Automação de processos e inovação em empresas são encarados como obrigatórios.

Um projeto skunkworks é um projeto desenvolvido por um grupo relativamente pequeno e pouco estruturado de pessoas que pesquisam e desenvolvem um projeto principalmente em prol da inovação radical. O termo teve origem no projeto Skunk Works da Segunda Guerra Mundial de Lockheed.

Exemplo da Picarro

O futuro da grande indústria pode ser visto através de uma pequena empresa inovadora de tecnologia no Vale do Silício. Picarro com base em Sunnyvale, com 90 funcionários, desenvolveu um dispositivo de medição móvel altamente preciso para gases, com software relacionado que transforma a saída da ferramenta em uma visualização fácil de entender. Qualquer organização ou indivíduo pode conduzir o instrumento de US$70.000 da Picarro e criar mapas incrivelmente detalhados documentando, digamos, o vazamento de metano ponto a ponto de um oleoduto ou de uma refinaria.

As implicações são enormes. Em vez de produzir em plena ignorância, gigantes industriais e de energia podem agora saber quais toxinas estão colocando na atmosfera. Mais criticamente, se eles não estiverem dispostos a analisar esses dados, qualquer pessoa que tenha um carro e ferramentas da Picarro pode fazer isso por eles. Este cálculo já produziu ramificações concretas: um executivo bem respeitado recentemente deixou o conselho de uma gigante do gás natural.

Essa dinâmica ilustra uma realidade atual: independentemente da indústria, sua empresa agora deve ser uma empresa inovadora, de forma direta uma empresa de software. Que finge que não está destruindo o que sempre foi feito de maneiras tradicionais. Com o hardware e o software tendo sua capacidade aumentada a taxas exponenciais, os dados de todos os tipos estão cada vez mais chegando às mãos das pessoas comuns, concorrentes, funcionários e principalmente, clientes. Ferramentas de medição, análise e comunicação extraordinariamente sofisticadas permitem que essas hordas capacitadas avaliem, processem e distribuam os dados, acompanhado de suas opiniões a respeito.

Empoderamento do Cliente

Cada vez mais pessoas comuns têm ferramentas que combinam e, em alguns casos, excedem a sofisticação daquelas usadas dentro das empresas não inovadoras que as servem. “Quando libero um novo produto ou uma nova campanha publicitária, posso obter feedback instantâneo sobre o que as pessoas estão pensando e como reagem a elas”, diz Jack Dorsey, co-fundadora do Twitter e iniciante em serviços financeiros da Square. “E posso usar esse feedback para sintonizar e melhorar minhas políticas, meu produto ou minha empresa, tudo em tempo real.”

Isso leva a um mandato cada vez mais urgente e abrangente: sua empresa tem que ser inovadora, usando software e tecnologia, tornar-se tão receptiva e ágil quanto seus clientes. Enfim tornando-se uma empresa inovadora digital. E então permaneça tão agressivo quanto eles, medindo, monitorando, avaliando e respondendo aos dados sobre seus produtos, serviços e seu impacto na sociedade.

Palestras e dezenas de apresentações semelhantes se concentraram no papel central da tecnologia na mudança dos negócios e da sociedade modernos. O que impressiona, no entanto, é o ponto de aceleração que estamos atingindo agora. A era em que as indústrias tradicionais podiam ver o mundo da tecnologia de longe está oficialmente encerrada.

“Todas as coisas nas quais passamos as últimas três ou quatro décadas de nossas vidas estão finalmente impactando o mundo e criando a mudança que queremos desde os anos 60”, diz Marc Benioff, CEO da Salesforce.com.

“Ouvimos através da música e agora estamos vendo isso através da tecnologia.”

A Ford

Para ver como essa mudança é imediata, e como os líderes de negócios inteligentes estão avançando, é instrutivo observar uma empresa que se portando de forma inovadora, foi em sua história a criadora do modelo industrial do século XX: a Ford Motor Co.

Bill Ford disse recentemente que, quando estava crescendo, costumava se preocupar em fabricar mais carros”, diz Venkatesh Prasad, líder técnico sênior da Ford. “Agora ele se preocupa, e se apenas fizéssemos mais carros? Apenas fazer mais carros não é o nosso futuro”. Em vez disso, a Prasad recria a Ford como fabricante de “sofisticados computadores sobre rodas”. Equipamentos como: receptores Wi-Fi transformam seu carro em um ponto móvel de acesso; o software integrado ajuda a maximizar a eficiência de combustível; sensores ultrassônicos permitem estacionamento paralelo automático. A peça chave agora, na visão da Prasad, é conectar seus veículos. “Estamos marchando rapidamente para 2 bilhões de carros, caminhões e ônibus neste planeta”, diz ele. “Não há nenhuma razão pela qual eles não devam ser totalmente conectados em rede.”

Ao fazer isso, a Ford busca, como o Facebook ou o Twitter, integrar seus produtos às vidas de seus clientes. “Há uma oportunidade”, diz Prasad, “de olhar agora para o software desempenhando um papel na moldagem dessas experiências de amanhã”.

Um dos Conselhos de Scott Cook para Jorge Paulo Lemann

Essa transição para um novo mundo de capacidade de resposta e agilidade será dolorosa e exigirá uma nova mentalidade. “Podemos construir organizações que sejam muito mais adaptáveis, lugares muito mais inspiradores para trabalhar, muito mais inovadores do que qualquer coisa que vimos até agora”, diz Gary Hamel, pensador de gestão e autor. “Mas há um enorme desafio ideológico ao fazer isso, porque dentro da maioria das grandes organizações há uma casta burocrática que acredita que é seu papel tomar decisões.” Scott Cook, fundador e presidente da Intuit, fabricante de software financeiro, concorda. Foi um dos 7 conselhos de Scott Cook para Jorge Paulo Lemann, no Brazil at Silicon Valley que ocorreu no dia 8 de abril de 2019.

Não cabe ao chefe tomar decisões

Os chefes pensam que é seu trabalho tomar decisões. Estão errados. Na cultura de inovação, é o experimento que toma a decisão, e não o chefe. Se o chefe tem uma ideia, ela precisa ser submetida a experimentos, como o restante dos empregados.

Diretoria de Inovação do Citigroup

Mas o Citigroup mostra que é possível até mesmo as maiores e mais estabelecidas organizações adotarem uma nova abordagem de abertura, mente aberta e velocidade. Uma das dolorosas lições da crise financeira foi: a necessidade de humildade. Deborah Hopkins, hoje CEO da Double Chase Advisors e é membro independente do conselho corporativo. Foi Diretora de Inovação do Citigroup, encarregada de superar a inércia organizacional, transformando o Citigroup em uma empresa inovadora. Alguém tem uma ótima ideia, e outra pessoa diz: “Ah, legal não nos deixam fazer isso” ou “aa regras não nos deixam fazer isso”, diz Hopkins. O que estamos dizendo é apenas: “inovar lá fora e depois vamos resolver internamente”.

Hopkins também ajudava o gigante bancário a colher ideias de dentro via iniciativas de crowdsourcing e um concurso de inovação, com o foco em trazer inovação para a empresa. Sua equipe redesenhou a experiência do setor bancário no Japão, eliminando as transações de papel e simplificando 156 processos de filiais para 12. “Você costumava pensar em um banco como um lugar, uma coisa física com um grande cofre na parede”, diz ela. “Agora é uma coisa virtual. … É sobre capacitar sua vida e ajudá-lo a resolver grandes problemas.”

DreamWorks Animation uma nova empresa

Nos estúdios da DreamWorks Animation em Glendale, na Califórnia, houve uma transformação ainda mais radical. O CEO Jeffrey Katzenberg, que tinha muita experiência em supervisionar os animadores da Disney. Em vez de filmes desenhados à mão, a DreamWorks passou a ser totalmente digital. Não mais apenas uma empresa tradicional que adota a tecnologia, a DreamWorks é uma empresa inovadora de tecnologia que está em um campo tradicional.

Katzenberg encontrou a direção em 2003, quando o lançamento de Sinbad, desenhado à mão teve um desempenho ruim. Era o desenho assustador para o futuro da empresa. “Estávamos em um caminho catastrófico para a extinção”, diz Katzenberg.

Então, um salvador apareceu na forma de um gigante verde gerado por computador: Shrek . Katzenberg colocou a DreamWorks em um curso intensivo para um futuro totalmente digital. Mas a maneira como chegou lá é um conto preventivo sobre os desafios que as empresas de outras indústrias podem enfrentar, ao não inovarem. A DreamWorks teve que eliminar um terço de seus 1.200 funcionários e reciclar outro terço. “Isso foi tão culturalmente perturbador quanto qualquer coisa que você possa imaginar”, Katzenberg me diz. “Mas o que não te mata te faz mais forte.”

DreamWorks uma software house

A DreamWorks pretende pensar como uma empresa inovadora do Vale do Silício. Os 600 dos seus 2.200 funcionários trabalham, na verdade perto de São Francisco. “Passamos boa parte do nosso tempo olhando por cima dos nossos ombros e rastejando para qualquer garagem onde podemos encontrar garotos talentosos que podem nos ajudar a chegar a qualquer que seja a próxima transformação”, diz Katzenberg. A empresa agora inovadora, projeta novos softwares, com Intel e HP, que aproveitam os chips de 12 processadores, permitindo que os animadores vejam os resultados de seus trabalhos em tempo real. Isso simplificará a “linha de manufatura” de animação de 12 etapas separadas para 6, permitindo maior liberdade criativa, pois reduz os custos.

Embora cara, a iniciativa da Intel / HP pode permitir que a DreamWorks venda software para outros setores de alta intensidade computacional, como exploração de petróleo, imagens médicas ou design de automóveis e aviões. Uma empresa inovadora de software, que usa esta capacidade para fazer filmes animados.

Essa evolução vai muito além das indústrias criativas. A empresa inovadora de consultoria McKinsey, ultrapassou o negócio de consultoria: oferece 21 produtos em seus serviços de software, diz o diretor da McKinsey, Hugo Sarrazin, acrescentando que as receitas de software da empresa, em milhões, constituiriam uma “grande empresa de software” pelos padrões do Vale do Silício.

TI como negócio da FedEx

A FedEx, que no início de sua história considerou que “as informações sobre o pacote são tão importantes quanto o próprio pacote”, agora emprega centenas de desenvolvedores que criam e implantam produtos para 350.000 sites de clientes. “Eu gerencio uma empresa de software dentro da FedEx”, diz David Zanca, vice-presidente sênior de tecnologia da informação, que vem ponderando, como a DreamWorks, se a FedEx deveria passar de remessa e vender seu software para outras empresas ainda não inovadoras. A tecnologia é tão importante que a diretoria da FedEx agora tem um subcomitê de TI completo, com os três de costume: remuneração; auditoria; nomeação e governança;

O argumento urgente para transformar qualquer empresa em uma empresa inovadora de software é a crescente disponibilidade de dados, tanto dentro quanto fora da empresa. Especificamente, as implicações do chamado “big data”. A agregação e análise de conjuntos de dados massivos, especialmente móveis, que levam a novos insights sobre as preferências do cliente e as estratégias da empresa. “Todo mundo tem dispositivos móveis, e esses dispositivos conseguem tirar uma foto ou capturar sons, ou dizer onde eles estão ou com que velocidade estão se movendo”, diz Marissa Mayer, vice-presidente de produtos de consumo do Google. “Os modelos de negócios podem se tornar muito mais personalizados”.

Na Ford, cada veículo tem um sistema de monitoramento de pressão dos pneus que gera um fluxo de dados para monitorar e melhorar o pneu, o carro e a experiência do motorista. Na FedEx, o próximo passo na coleta e resposta aos dados será um chip em cada pacote que, além de fornecer informações em tempo real sobre localização, temperatura ou se ele foi aberto, também será personalizável.

Fim das empresas não digitais

IoT no dia a dia

Os utilitários estão começando a instalar as chamadas redes inteligentes que se comunicam com aparelhos e dispositivos que usam a eletricidade, permitindo que os dados em tempo real equilibrem a oferta e a demanda. “Quando a energia falha, por exemplo, a rede pode dizer ao carro elétrico em sua garagem para parar de carregar”, diz Fred Krupp, do Fundo de Defesa Ambiental. “E os novos refrigeradores se comunicarão com a rede e receberão informações, por exemplo, de que o ciclo de descongelamento diário deve ser feito à noite, e não durante o dia. Essa é a rede mais inteligente e verde de amanhã, trazida a você pelos dados.

No entanto, indústrias inteiras ainda resistem ao inevitável ataque aos dados. Um dos exemplos é a indústria da saúde. “Devemos ter todos os dados que existem neste país em todos os sistemas de saúde e torná-lo interativo e pesquisáveis”, diz Craig Mundie, diretor de pesquisa e estratégia da Microsoft, que atua no Conselho de Assessores de Ciência e Tecnologia do presidente. “Todo mundo sabe que você precisa ir a algum tipo de sistema em que você paga com base nos resultados. … Você precisa de uma visão universal dos dados, para preços comparativos e controle de qualidade… Mas a indústria não quer fazer isso ”. Eventualmente, startups baseadas em tecnologia de fora do sistema médico surgirão para enfrentar estas dificuldades. David Jones, da Chrysalis Ventures, por exemplo, investiu em empresas de treinamento em diagnóstico que usam feedback móvel para ajudar as pessoas a comer melhor ou parar de fumar.

Inércia da Industria de Saúde

A inércia dos serviços de saúde serve como um lembrete útil: os bloqueios de estradas estão incorporados nas culturas internas e esses obstáculos impedirão a responsividade dos dados e do software, a menos que as empresas inovem e mudem a maneira como são organizadas, gerenciadas e lideradas. “O Big Data pode nos levar aos negócios na velocidade do pensamento”, diz Francis de Souza, presidente do grupo de produtos e serviços corporativos da Symantec. “Mas a realidade é que a maioria das empresas faz negócios à velocidade da reunião semanal”, acrescenta Kendall Collins, vice-presidente sênior da Salesforce.com, que gerencia seu produto nos sistemas de mensagens colaborativas internos da empresa, Chatter: “Se você é um CEO e não sabe o que as pessoas têm a dizer sobre sua empresa, você está fundamentalmente perdido. Você tem que ser vulnerável o suficiente para ter essa conversa em sua própria sala de estar.”

“Como humanos, resistimos à mudança”, diz Dorsey, do Twitter e da Square. “É assustador e algo que não podemos necessariamente controlar. Você ouve que o Twitter é importante ou o Facebook é importante, ou o HTML5 é importante, mas como você realmente começa? Não há um caminho fácil. Não é divertido ser autoconsciente. “Em muitos casos, significa que temos que trabalhar mais”, acrescenta ele. “Então temos que trabalhar mais.”

Fauzi Fakhouri

Engenheiro com pensamentos divergentes e convergentes, solucionando problemas de alta complexidade. Usando Ciência de Dados, Inteligência Artificial e Machine Learning.

Recommended

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist